Jogador brasileiro não vai ter problema no México, não. Tudo já morou em favela e não pode se queixar de altitude.

Neném Prancha

Maria, uma menina de 13 anos, negra, pobre, favelada, morta na escola em que estudava.

Maria não morreu apenas na escola, morreram seus sonhos, ali.
É um murro lá no meio do sossego, é uma dor que vem me visitar todas as vezes que vejo, ouço ou leio uma notícia como essa.

Se você consegue ver isso com normalidade, ótimo, parabéns, eu não. Maria buscava uma transformação social através da educação e do esporte, e a sua escola foi o palco de sua morte.

 

Meus pensamentos se ordenam como uma tropa em forma. E, de repente, se espalham, como folhas secas, num amontoado, com o vento.
Tão nova, tão pequena, tão cheia de vida, cheia de sonhos. Meu Deus do céu! Sonhos grandes, sonhos lindos, que ninguém soube. Só ela, a pequena Maria, e os levou consigo.

Não, não consigo entender o porquê desta política de combate ao tráfico que põe na mesma balança criminosos, Marias, Josés, Amarildos e os levam pra longe. Em troca de uma dor eterna, uma dor que não passa nunca.

Na verdade, queria poder não mais ter de ver isso na tevê ou nos jornais, mesmo sabendo que ainda vou ver isto por muito tempo.

Daí, pego um papel e tento escrever, sei lá, reescrever uma história tão antiga, tão calejada, tão forte, tão presente em nossos dias. Com um único detalhe, eu não apenas vejo, eu sinto, de perto, todos os dias.

Maria não é filha da Ciça, do Eike, Maria não tem berço, Maria era negra, pobre e favelada.

Dessas que precisam estudar pra provar pra uma sociedade desigual, que oprime, que marginaliza, que é possível, que é gente. Maria precisava vencer triplamente. E foi possível, até que foi alcançada por “balas perdidas”, que dilaceraram sua carne e lhe tiraram a vida.

Que pena, Maria. Você se foi. Vi suas fotos pela tevê e você era linda, Maria.
No sepultamento de Maria talvez não tenha nenhum Global, não tenha corrente em rede social, dessas do tipo, somos todos Maria, mas apesar disso, Maria tinha uma família, e que família!

E como encontrar força diante disso tudo? Só por Deus, meu amigo.
Esta é minha esperança, esta talvez seja a esperança de todos nós.

Maria foi vitoriosa em tão pouco tempo de vida! Não deu, eu sei, eu só posso dizer: descanse em paz, Maria.
Seu sonho acabou, mas a luta continua!

Claiton de Paula.

É muito fácil falar de coisas tão belas

De frente pro mar, mas de costas pra favela

Planet Hemp

Fome

Moro na favela,
Cinco de julho,
Não tenho inveja de nada
E nem um pouco de orgulho.

Só quero uma vida digna,
Para ofertar a meus filhos,
Assim não vão para o mundo do crime
E sim caminhar nos bons trilhos.

Me corta o coração,
Quando minha filha estende a mão
Querendo algo pra comer,
E nem tenho um pedaço de pão.

Quando a fome se aproxima,
É então que fico calado,
Entro em desespero,
Mas não fico igual à um abobado.

Vejo meus vizinhos
Almoçando e se alimentando
E eu pobre inútil
Caido e quase parando.

Assim eu não aguento
Me ponho a chorar
Tristeza
Tristeza de não se acabar.

É, mas esta história
Não termina com o final feliz
Como os contos de fadas,
E sim termina com a sentença de um juiz.

Só fica o sonho
De tudo mudar
De ter um emprego
Pra me ajeitar.

E aqui eu continuo
Sem trabalhar
Com fome a passar
E ter que esperar um emprego chegar.

Ednei Fagundes

“Tomar a favela de traficante é fácil, tomar o poder das pessoas erradas que te roubam de um jeito bem pior que é difícil, político que rouba da saúde mata mais do que quem aperta o gatilho, e a culpa é nossa, porque parece que a lei não funciona pra quem cria ela.”

Welisson Moreira

“Nascida Em Bairro Nobre Seu Cupido é Uma Favela”

Hungria Hip Hop

Quando a favela acordar, o morro todo descer no asfalto para seus direitos reivindicar, o batuque desafinado de panelas vão se calar, politico pilantra vai aprender o povo respeitar, que jamais hão de se calar…. Espero a favela acordar…

CASTRO

A Favela Perfeita

Originalmente fiquei conhecido como um menino do rio, pela alegria forma despojada de ver e viver a vida, não precisava de muito dinheiro, uns poucos trocados, bons amigos e uma resenha na praia para alimentar o bom espírito.

Quando menino e ainda muito pequeno trago boas recordações e lembranças da infância vivida entre becos e vielas na maior e melhor favela dentre elas, sempre reconhecida pelas suas belezas naturais, e visuais deslumbrantes. Apaixonam-se aqueles que a olham de fora para dentro, ou aqueles que de dentro, contemplam o visual maravilhoso do Rio de Janeiro.

Nascido na década de 80, minha favela sempre foi a melhor dentre as favelas, referenciada sempre pelo seu tamanho como a maior da América Latina, impunha respeito e admiração, pois além de fazer parte da história de nossa cidade, compunha em versos e prosas as letras das melhores musicas de funk da época. Reconhecidamente um berço de grandes MC´s da minha geração.

Não tinha policia ou doutor, até bandido respeitava morador, não tinha guerra, quase não tinha tiro, não morria policia, não morria bandido, não tinha bala perdida em morador. Roubo não existia e o corajoso do ladrão, coitado, percorria só de calcinha as ruas da favela, sob ovadas, xingamentos e vaias não corria, e se corresse a madeira cantava.

Pela praia de São Conrado era sempre laser, no sol de verão ou de inverno, seja o morro que descia ou o rico que comparecia. Até você podia ir sozinha(o), pois sabia que no que é seu ninguém mexeria. Mesmo se morasse naquele lindo prédio na esquina.

Na minha favela, a melhor dentre elas, esperto também não se criava, enganou o traficante, achando que passaria batido, vendeu passarinho roubado e acabou culminando o seu próprio fim, um quilo de Sal, e se a sede apertasse, um litro de cachaça dava, para quem sabe, amenizar a dor de uma provável cirrose hepática.
Por falar em bebida, festas iguais não haverá.

Bebida e comida a vontade, onde traficante em meio à multidão queria ser apenas um morador a curtir, com certeza o inicio do “Open Bar”. Não existia “mimimi”, era tudo “arregado”, e até o amanhecer não podia acabar. Não tinha briga e não tinha confusão, a festa era para curtir e cantar os funks do patrão.

Calma, não se assuste, não é apologia e tampouco ostentação, eram as histórias da favela cantadas nos versos de uma canção.
Orgulhosos são os crias por ter vindo de onde vieram, ter visto tudo que viram e principalmente vivido tudo que viveram na melhor favela dentre as favelas, de origem na

Fazenda Quebra-Galhas, que divida virou chácaras e a região carinhosamente foi batizada de Rocinha. A favela dentre as favelas ainda a maior e melhor favela.

Obs.: Esse é apenas um relato de uma Rocinha vista através dos meus olhos, se certo ou errado, não cabe a um ou outro julgar. Opiniões divergentes são sempre bem aceitas, mas espero que saiba que todos gostam de respeito para com o nosso lar. E desculpe qualquer equivoco no português, sentimentos geralmente não precisam de um padrão linguístico para fazê-lo, boas descrições fiéis as informações passadas já dão conta de muito bem descrever.

Victor Leite de Araújo

Temos uma favela marginalizada que nem sempre é aceita no mercado de trabalho. Para muitos o negro ou a negra que luta pelo seu direito, tem de calar a boca, logo o difama de “vitimista”. São tão marginalizados, que não podem muitas das vezes montar uma guia e sair vendendo, que a prefeitura prende, nem sempre pelo fato de ser negro ou negra, mas por ser de menos condições de vida e pertencer a uma classe menos favorecida.

Valter Bitencourt Júnior

A cidade não esconde mais sua miséria

O sol que esquenta o centro também está na favela
Há muitos sonhos e alguns perdidos nesse momento
O povo grita, chora ou apenas fica em silêncio

Mauro Rocha

Para muitos é normal prenderem e matarem negros e negras que moram na favela, e em outras localidades também. Porque, também morre negros e negras em áreas nobres, e muitos são criminalizados, pelos o que dizem lutar contra a violência em nosso país.

Valter Bitencourt Júnior

Se o rap se entregar favela vai ter o que?

Se o general fraquejar soldado vai ser o que?

Emicida

Na favela, o comum é a falta, a escassez, a dor, a violência. Por outro lado, há também arte, resiliência, capacidade de empreender. Precisamos construir comunidades empreendedoras para gerar renda, com dignidade para as pessoas.

Edu Lyra

Pras princesinha, patricinha, pras donzela de favela

A patricinha dá uma requebrada, na sequência dá uma empinada
E a de favela dança e requebra, deixa os mlk louco por ela

Tim Maia

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui